fbpx

Suplementação com prebióticos pode modular microbiota intestinal e melhorar sensibilidade à insulina em indivíduos com excesso de peso

Fibras prebióticas são capazes de modular a microbiota intestinal, ao serem fermentadas por bactérias da microbiota intestinal, e produzirem metabólitos como os ácidos graxos de cadeia curta (AGCCs) benéficos à saúde. O propionato, um dos AGCCs produzido por esta fermentação, tem capacidade de estimular a secreção de peptídeos intestinais, como o peptídeo semelhante ao glucagon 1 (GLP-1) e peptídeo YY (PYY), muito envolvidos no metabolismo da glicose, regulação do apetite e redução da inflamação.

Para investigar o papel da suplementação prebiótica sobre a resistência à insulina em adultos, foi feito um estudo cruzado, aleatório, duplo-cego, e controlado por placebo, em que indivíduos não diabéticos com sobrepeso ou obesidade receberam 20g/dia de inulina ou éster inulina-propionato (EIP) durante 42 dias.

Os pesquisadores avaliaram os efeitos da intervenção prebiótica na composição da microbiota intestinal, metaboloma plasmático e variáveis inflamatórias. Após o período de intervenção indivíduos dos grupos EIP e inulina apresentaram melhora semelhante nas variáveis laboratoriais de homeostase da glicose – incluindo índice de sensibilidade à insulina, resistência à insulina do tecido adiposo, insulina em jejum.

Em relação ao perfil imunológico e inflamatório, pacientes dos grupos EIP e inulina, apresentaram aumento significativo, nos níveis de  munoglobulina G e redução da interleucina-8 pró inflamatória (IL8) – quando comparados com indivíduos que receberam apenas placebo. Estas alterações não foram relacionadas com diferenças no peso corporal, ingestão de alimentos, atividade física ou efeitos colaterais gastrointestinais.
O consumo de inulina comparado ao placebo também promoveu alterações na composição da microbiota intestinal em nível de classe e ordem, com aumento

de Actinobactérias e redução de Clostridia, e Clostridiales. Já a suplementação com EIP promoveu alterações somente a nível de espécies. Em conclusão, o estudo sugere que a fermentação de fibras prebióticas e seus metabólitos pode contribuir para melhorar a sensibilidade à insulina do
hospedeiro, promovendo benefícios no controle de doenças metabólicas.

Referências:
1. Cani PD. Is colonic propionate delivery a novel solution to improve
metabolism and inflammation in overweight or obese subjects?.Gut. 2019; 0: 1-
2.
2. Chambers ES, Byrne CS, Morrison DJ et al. Dietary supplementation with
inulin-propionate ester or inulin improves insulin sensitivity in adults with
overweight and obesity with distinct effects on the gut microbiota, plasma
metabolome and systemic inflammatory responses: a randomised cross-over
trial. Gut. 2019; 0:1–9.
3. Chambers ES, Viardot A, Psichas A, et al Effects of targeted delivery of
propionate to the human colon on appetite regulation, body weight maintenance
and adiposity in overweight adults Gut 2015;64:1744-1754.

Posts Relacionados:

-> NOVAS EVIDÊNCIAS RELACIONANDO O MICROBIOMA E O DIABETES

-> CONSUMO DE ADOÇANTES, DISBIOSE INTESTINAL E REPERCUSSÕES METABÓLICAS

-> A INFLUÊNCIA DA MICROBIOTA INTESTINAL NA DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA (DHGNA)

 

Receba a nossa newsletter e fique sempre por dentro dos estudos científicos sobre o microbioma humano. Faça o seu cadastro aqui.

Leave a comment